Prof.Dr.Luis Carlos Figueira de Carvalho

Widgets

Translate this Page
POS GRADUAÇÃO
Por que fazer uma pós-graduação?
Melhorar curriculo
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (2310 votos)




ONLINE
1






CANDIDA

CANDIDA

RECOMENDAÇÕES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLINICA/MEDICINA LABORATORIAL. BOAS PRÁTICAS EM MICROBIOLOGIA CLINICA. SBPC/ML. ED. MANOLE. SÃO PAULO. 2015

Cultura pra Candida

A incidência de Infecções fúngicas vem aumentando progressivamente a parti da década de 1980. Paradoxalmente, o aparecimento de doenças imunossupressoras e a evolução da medicina trouxe um número crescente de procedimentos invasivos, terapias imunossupressoras agressivas, uso generalizado de antimicrobianos de amplo espectro, nutrição parenteral e estadia hospitalar prolongado, fatores que permitiram que os fungos emergissem como causadores de infecções graves em seres humanos.

Entre as infecções causadas por fungos, as leveduras são muito relevantes, principalmente no ambiente hospitalar. As espécies de Candida são leveduras patogênicas mais importante e frequentes. Nos estados unidos,são a quarta causa mais comum de infecções de corrente sanguínea, com a Candida Albicans sendo responsável por mais de 50% das infecções, seguida pela C. glabrata, C.tropicalis, Cparapsilosis, C. Krusei e C. lusitaniae.

FATORES DE RISCO

Se o indivíduo não apresentar nenhum tipo de imunodepressão, as infecções por Candida tendem a ser limitadas em extensão e gravidade. As espécies de Candida fazem parte da microbiota normal do trato gastrointestinal, de mucosas e da pele assim o uso de antimicrobiano de amplo espectro quebra o equilíbrio da microbiota da cavidade oral e do trato gastrointestinal ao eliminar a população competitiva predominante. Quando o indivíduo apresenta qualquer tipo de imunossupressoras ou quimioterapias em altas doses também são terapias imunossupressoras ou quimioterapias em altas doses também são fatores de risco. Infecções de corrente sanguínea podem ser ocasionadas pelo uso prolongado de dispositivos vasculares, praticas comum no tratamento de pacientes hospitalizados.

TIPO DE INFECÇÕES

Infecções cutânea

É o tipo de infecção mais frequente causada por espécies de Candida. Apresenta-se como lesões eritematosas acompanhadas ou não de um exsudato esbranquiçado cremoso ou descamação. Em ares sujeitas a atrito, sob efeito de calor e umidade, pequenas fissuras podem servir como porta de entrada para infecção por Candida. Os locais mais comuns são virilha, entre os dedos das mãos e dos pés sob as mamas e axilas. Onicomicoses (acometimento das unhas) e paroníquia (acometimento do leito ungueal) são frequentemente em indivíduos que lidam com agua ou umidade por tempo prolongado.

Para uma boa sensibilidade no resgate do micro-organismo, a coleta do material tem grande valor, sendo diretamente responsável pelo crescimento da levedura. Dessa maneira, é fundamental considerar:

  • O material coletado deve ser verdadeiramente representativo da lesão.
  • É importante descrever se a pele esta integra ou ulcerada.
  • Coletar preferencialmente raspado das margens e base da lesão, já que são os locais onde as leveduras estão viáveis.
  • Não é recomendado cultura de lesões secas ou crostas.

Coleta de lesões superficiais

  • Limpar a superfície cutânea com agua destilada ou soro fisiológico estéril não utilizar iodo.
  • Para amostras de pele, usando um bisturi pequeno estéril, raspar cuidadosamente as bordas da lesão.
  • Para amostras de couro cabeludo, incluir alguns fios de cabelo para exame.
  • Para amostras de unha, obter raspado e/ou material abaixo da unha até atingir o leito ungueal para a obtenção de micro-organismos viáveis.

Os materiais obtidos podem ser colocados em placas de Petri estéreis e devem ser identificados separadamente para cada sitio a ser identificado (p.ex., raspado de unha do segundo dedo da mãe direita, raspado da região lateral do pé esquerdo, raspado da região central do antebraço direito, etc.).

Transporte

A placa de Petri ser transportada em temperatura ambiente (20 a 25ºC) até 30 minutos após a coleta.

Reporte do resultado

  • Cultura negativa: não houve crescimento de Candida spp na amostra analisada.
  • Cultura positiva: identificar no laudo do exame a espécie de Candida isolada.

Candidíase oral

Manifesta-se por placas cremosas esbranquiçadas na mucosa oral. Os sintomas geralmente não são exuberante e podem iniciar com fissuras nos cantos da boca, porem quando a infecção é maciça, pode resultar em disfagia. A candidíase oral ocorre frequentemente em crianças e é uma das infecções iniciais nos pacientes infectados de HIV, a candidíase oral geralmente é causada pela Candida albicans, mas outras espécies também podem causa-la.

 

Coleta

  • Solicitar ao paciente que abra bem a boca.
  • Procurar uma área esbranquiçada e coletar a amostras da lesão com swab.
  • Introduzir o swab em um tubo com solução salina estéril.

Transporte

O material deve ser transportado em ambiente (20 a 25ºC) até 30 minutos após a coleta.

Reporte do resultado

  • Cultura negativa: não houve crescimento de Candida spp na amostra analisada.
  • Cultura positiva: identificar no laudo do exame r espécie de Candida isolada.

Candidíase esofágica

Ocorre sob a forma d lesões erosivas recobertas por placas esbranquiçadas no esôfago resultante em dor retroesternal com piora à deglutição.

Coleta

O material das lesões pode ser coletado via endoscopia digestiva por meio de escovado ou biópsia.

Transporte

O material deve ser transportado em temperatura ambiente (20 a 25ºC) até 30 minutos após a coleta.

Reporte do resultado

  • Cultura negativa: não houve crescimento de Candida spp na amostra analisada.
  • Cultura positiva: identificar no laudo do exame a espécie de Candida isolada.

Candidíase vaginal

A candidíase vaginal ocorre em mulheres pós-puberais e manifesta-se com hiperemia local, placas esbranquiçadas no canal vaginal, queimação e prurido perivaginal, dispareunia e corrimento espesso com aparência de leite coagulado. Diabete, antibioticoterapia, gravidez e atividade sexual são fatores que predispões esse tipo de infecção.

Coleta

Para a coleta, recomenda-se à paciente não estar em período menstrual, evitar ducha e cremes vaginais na véspera da coleta e estar em abstinência sexual por 3 dias.

 

Coleta vaginal

  • Inserir um espéculo (sem lubrificante, usar agua morna) na vagina.
  • Retirar o excesso de muco cervical com swab de algodão.
  • Inserir o swab do meio de transporte, rodar por alguns segundos sobre o fundo do saco, retirar e volta-lo no meio de transporte para cultura de fungos.

Transporte

O material deve ser transportado em temperatura ambiente (20 a 25ºC) até 12 horas após a coleta.

Reporte do resultado

  • Cultura negativa: não houve crescimento de cândida spp na amostra analisada.
  • Cultura positiva: identificar no laudo do exame a espécie de Candida isolada.

Caso não tenham sido pesquisa somente leveduras, reportar os outros agentes identificados.

Infecções do trato urinário

É muito difícil diagnosticar uma infecção do trato urinário causada por Candida spp, pois estas leveduras são colonizantes do canal vaginal e também fazem parte da flora da bexiga de pacientes com sonda d demora, principalmente quando estão em uso de antibioticoterapia sistêmica.

Coleta

A coleta deve ser feita pela manhã, preferencialmente na primeira micção do dia ou então após retenção vesical de 2 a 3 horas.

O primeiro jato de urina deve ser desprezado no vaso sanitário. Colher o jato médio urinário no frasco universal de boca larga fornecido pelo laboratório. Colher um pouco mais da metade do frasco e evitar enchê-lo.

Pacientes com sondagem vesical

Colher a urina puncionando-o o cateter na proximidade da junção com o tubo de drenagem. Não colher a urina da bolsa coletora. No pedido laboratorial deve constar que o paciente está cateterizado.

Consultar o capitulo 3.1 Urocultura para a descrição detalhada dos procedimentos.

Transporte

O processamento laboratorial deve ser feito dentro de 2 horas. Caso não seja possível, as amostras devem ser refrigeradas a 4ºC até o momento da semeadura (no máximo de 24 horas).

 

Reporte do resultado

  • Cultura negativa: não houve crescimento de Candida spp na amostra analisada.
  • Cultura positiva: identificar no laudo do exame a espécie de Candida isolada.

Caso não tenham sido pesquisadas somente leveduras, reportar os outros agentes identificados.

Candidíase invasiva/candidemia

A maioria das infecções invasivas causadas por espécie de Candida resulta de invasão da corrente sanguínea e disseminação hematogênica da levedura. Candidemia é definida com isolamento de Candida spp pelo menos uma amostra de sangue cultivada (hemocultura). Candidíase invasiva primaria em órgão profundo é frequente após cirurgia abdominal, pois pode haver contaminação da cavidade peritoneal com leveduras da flora intestinal.

Coleta de hemocultura – procedimento

  • Lavar as mãos e secá-las.
  • Remover os selos da tampa dos fracos de hemocultura e fazer assepsia previa nas tampas com álcool 70%.
  • Garrotear o braço do paciente e selecionar uma veia adequada. Essa área não deve mais ser tocada.
  • Fazer a antissepsia com álcool 70% de forma circular e de dentro para fora por 2 vezes.
  • Coletar a quantidade de sangue e o número de amostras recomendados de acordo as orientações descritas ou conforme discriminados no pedido médico.
  • Identificar cada frasco com todas as informações padronizadas e enviar ao laboratório juntamente com a solicitação medica devidamente preenchida.

Observações

  • Colher antes da administração de antibiótico
  • A coleta com cateteres não é recomendada quando se podem utilizar punçoes venosas.
  • Punção artérias não trazem benefícios na recuperação dos micro-organismo.
  • Não se recomenda a troca de agulhas entre a punção e a distribuição do sangue no frasco de hemocultura.
  • Método de coleta do sangue e volume coletado influenciam diretamente no sucesso da recuperação de micro-organismos e interpretação adequada dos resultados.
  • Lembrar que algumas espécies de Candida fazem parte da flora normal da pele se a antissepsia não for adequada, pode haver crescimento de Candida na hemocultura e consequentemente tratamento equivocado ao paciente.

Consultar o capitulo 3.2. Hemocultura para a descrição detalhada do procedimento de coleta.

Transporte

Nunca refrigerar o frasco. Manter o frasco em temperatura ambiente e encaminhar o mais rápido possível para o laboratório.

Reporte do resultado

  • Cultura negativa: não houve crescimento de Candida spp amostra analisada.
  • Cultura positiva: identificar no laudo do exame a espécie de Candida isolada.

Pub

CONSULTORIA ACADÊMICA: 

Professor e orientador para sua vida acadêmica, que propõe dar suporte didático-pedagógico e orientações para que você almeje seus objetivos, de forma prática e rápida.

Existe duas maneiras de chegar a algum lugar. Uma de forma aleatória, com tentativas de acertos e erros; e, outra, orientada e supervisionada por alguém que conhece o caminho das pedras.