Prof.Dr.Luis Carlos Figueira de Carvalho

Widgets

Translate this Page
POS GRADUAÇÃO
Por que fazer uma pós-graduação?
Melhorar curriculo
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (2249 votos)




ONLINE
3






Assistência Farmacêutica Domciliar

Assistência Farmacêutica Domciliar

Figura

 

Prezado paciente usuário de dois ou mais medicamentos

Você que faz uso de um ou mais medicamentos, saberia responder ou compreenderia as seguintes questões a respeito da sua terapia:

I - QUANTO A CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

  1. Você sabe a química que está fazendo uso? Quais os componentes químicos da formulação?
  2. Qual o princípio químico do medicamento que faz uso?
  3. Você sabe como funciona? ou seja qual o mecanismo?

II - QUANTO AO EFEITO TERAPÊUTICO

  1. Os sintomas que você reclamava antes da consulta médica persistem com a medicação?
  2. Você acha que a medicação está fazendo efeito, ou seja, sente conforto ao tomar o medicamento?
  3. Depois que começou a tomar a medicação você observou alguma mudança no seu corpo ou comportamento?
  4. A medicação tem influenciado a sua vida social? De forma positiva ou negativa?

III - QUANTO A POSOLOGIA – ESQUEMA TERAPÊUTICO

  1. A posologia prescrita está de acordo com o recomendado na bula? E se estar diferente o porquê da alteração?
  2. Você segue rigorosamente a orientação médica? Ou toma a medicação eventualmente quando sente a necessidade ou se lembra o remédio?
  3. O que você faz para se lembrar do horário exato de tomar o medicamento?
  4. Que influência tem o horário no efeito terapêutico esperado? Ou alguns minutos não faz diferença?

 IV - QUANTO AS REAÇÕES ADVERSAS – RISCOS

  1. Você reconhece quando a medicação está lhe trazendo problemas?
  2. Você sente algum efeito adverso ao tomar a medicação (ex. urticária, calor, rubor, enjôo, vômito, etc)?  Quais?
  3. Quais as informações que caracteriza uma hipersensibilidade ao medicamento?;
  4. Quais os riscos ao parar de tomar a medicação de forma abrupta (síndrome da descontinuidade)?

V - QUANTO A INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA

  1. Quais as possíveis interações medicamentosas?
  2. A sua alimentação influência na sua medicação?
  3. Você toma todos os medicamentos no mesmo horário? Qual a importância da cronologia de cada medicação?
  4. Além da medicação prescrita pelo médico você tomar algum outro medicamento ou chás eventualmente? Quais?  Quando? Que importância tem isso?
  5. Qual a influência do álcool e do tabagismo na sua medicação?

VI - QUANTO AO ASPECTOS FISIOLÓGICOS – FARMACOCINÉTICA

  1. Quais os aspectos fisiológicos que influenciam ou sofre influência com sua medicação?
  2. Você conhece os aspectos farmacocinéticos da medicação que influenciam no efeito desejado da medicação?
  3. A medicação influência no seu fluxo urinário?
  4. Você sente prisão de ventre, diarréia ou desconforto intestinal quando toma a medicação?
  5. A medicação influência na sua pressão arterial?
  6. A sua massa corporal (IMC) está relacionada com  a posologia, que importância isso tem com o efeito desejado da medicação?
  7. Você informa o médico para ajustar a posologia quando a sua massa corporal (IMC) sofre variações?

VII - QUANTO A PERSPECTIVA DE CURA – RESOLUTIVIDADE

  1. Quando você vai deixar de tomar esse (es) medicamento(s) ?
  2. O que você poderia fazer para melhorar a sua qualidade de vida?
  3. Quais as possibilidades de você viver sem medicação?

VIII- QUANTO AOS CUSTOS - BENEFICIOS

  1. Quais as formulações disponíveis nas farmácias com mesmo principio químico desse medicamento? Por que usar esse e não outro? Qual a relação custo-benefício?
  2. Você tem alguma farmácia de preferência ou compra a medicação em qualquer uma, desde que o preço esteja acessível?
  3. Você faz alguma pesquisa de mercado para comprar a medicação mais barata? Ou não se preocupa com o preço?
  4. Que outras opções de medicamento que o médico poderia usar para resolver o seu problema de saúde? Será que você está usufruindo o que existe de melhor?

                   

                   Provavelmente, você não tem respostas para todas essas questões, o seu médico não teve tempo de lhe informar, ou você mesmo não tem noção da importância dessas informações para a sua qualidade de vida, mas caso queira obter essas informações contrate um farmacêutico para lhe prestar todo esclarecimento, utilize a ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DOMICILIAR.

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA consiste na provisão responsável da farmacoterapia com o propósito de alcançar resultados concretos que melhorem a sua qualidade de vida, buscando assim, encontrar e resolver de maneira sistematizada e documentada todos os problemas relacionados com os medicamentos que apareçam no transcorrer do tratamento do paciente, tendo como objetivos principais:

  1. Responsabilizar-se com o paciente para que o medicamento prescrito pelo médico tenha o efeito desejado;
  2. Estar atento para que ao longo do tratamento as reações adversas aos medicamentos sejam as mínimas possíveis, e no caso de surgirem, que se possa resolvê-las imediatamente.

O que se propõe não é o exercício do diagnóstico ou da prescrição de medicamentos considerados de responsabilidade médica, mas a garantia de que esses medicamentos venham a ser úteis na solução ou alívio dos problemas do paciente, desta forma propõe-se:

  1. Prestar orientações quanto ao uso, à guarda, administração e descarte de medicamentos e correlatos, com vistas à promoção do uso racional de medicamentos;
  2. Estar atento para que ao longo do tratamento as reações adversas aos medicamentos sejam as mínimas possíveis, e no caso de surgirem, que se possa resolvê-las imediatamente.
  3. Prestar informações sobre os medicamentos e problemas relacionados aos mesmos, propondo aos demais membros da equipe de saúde, as mudanças necessárias à obtenção do resultado desejado;
  4. Realizar levantamento de indicadores relacionados ao uso de medicamentos e correlatos;
  5. Recolher, sintetizar e analisar a informação relevante;
  6. Listar e classificar os problemas relatados pelo paciente e identificados na anamnese;
  7. Estabelecer os resultados farmacoterapêuticos desejados para cada problema relacionado com o medicamento;
  8. Determinar as alternativas terapêuticas disponíveis;
  9. Eleger a melhor solução farmacoterapêutica e individualizar o regime posológico;
  10. Desenvolver um plano de monitorização terapêutica;
  11. Realizar o seguimento para medir o resultado.

 "A assistência farmacêutica é conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individual como coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando ao acesso e uso racional. Este conjunto envolve a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, programação, aquisição, distribuição, dispensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços, acompanhamento e avaliação da sua utilização, na perspectiva da obtenção de resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população".

VEJA MAIS SOBRE ATENÇÃO FARMACÊUTICA EM: http://sdrv.ms/YcXHVS

Saudações

Prof. Dr. Luís Carlos Figueira de Carvalho  < profluiscarloscarvalho@hotmail.com >

 

 

Veja artigo publicado na Revista Racine edição 111 (Julho/Agosto de 2009)

Em que Consiste a Assistência Farmacêutica Domiciliar, Contemplada como um dos Itens da Resolução de Boas Práticas Farmacêuticas (RDC 44/2009), e Quais São seus Principais Aspectos Apresentados?

  “A publicação da resolução RDC 44/2009 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) tem sido assunto freqüente nos fóruns relacionados ao mercado farmacêutico e até mesmo nos espaços que falam sobre o direito do consumidor. A resolução institui as Boas Práticas Farmacêuticas, definindo regras claras para o funcionamento de farmácias e drogarias. De acordo com a Lei nº 5.991, de 1973, e seu respectivo regulamento, o Decreto nº 74.170, de 1974, não é permitido o comércio indiscriminado de produtos alheios à saúde em farmácias e drogarias. A lei autoriza às farmácias e drogarias o comércio apenas de determinados correlatos. Significa que, como no mundo todo, o Brasil decidiu que farmácias e drogarias devem seguir regras específicas. Por isso, definir os tipos de produtos que podem ser comercializados nestes estabelecimentos não é qualquer inovação jurídica e sim o cumprimento do papel regulatório atribuído à Agência.

Quanto à assistência farmacêutica domiciliar, de acordo com o artigo 68 da resolução, o serviço consiste na avaliação da eficácia do tratamento prescrito, a promoção do uso racional de medicamentos, a verificação de parâmetros fisiológicos (por exemplo, pressão arterial e temperatura) e parâmetros bioquímicos (como teste de glicemia capilar) e, ainda, a administração de medicamentos (nebulização, aplicação de injetáveis) na residência do paciente. No entanto, o estabelecimento deverá contar com outro farmacêutico no local para substituí-lo durante suas ausências, pois nos termos do artigo 15 da Lei nº 5.991/73 e artigo 3° da RDC 44/2009, as farmácias e drogarias devem ter assistência de farmacêutico durante todo o horário de funcionamento. O fornecimento desse serviço é facultativo e a farmácia poderá cobrar por sua realização. Somente serão considerados regulares os serviços farmacêuticos devidamente indicados no licenciamento da farmácia ou drogaria, ou seja, mediante prévia autorização da Vigilância Sanitária. A vigilância local fará uma prévia inspeção para constatação do atendimento às regras contidas na RDC 44/2009 e na legislação sanitária em vigor. A prestação de serviço deve ser realizada por profissional devidamente capacitado, respeitando as determinações estabelecidas pelos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia. A administração de medicamentos também está definida como serviço farmacêutico e o usuário deverá apresentar a receita, exceto em caso de administração de medicamentos isentos de prescrição. Relacionado a isto abordamos ainda a declaração de serviço farmacêutico, que é o documento escrito, elaborado pelo farmacêutico e entregue ao usuário após a prestação do serviço farmacêutico. Deve ser emitida em duas vias, a primeira via entregue ao paciente e a segunda via arquivada no estabelecimento. Deve conter identificação do estabelecimento (nome, endereço, telefone e CNPJ), identificação do usuário ou de seu responsável legal, serviço farmacêutico prestado, data, assinatura, carimbo do farmacêutico responsável pelo serviço com nome e número de inscrição no CRF e informações específicas com relação ao serviço prestado, conforme descrito no artigo 81, § 2º, inciso I e II da RDC 44/2009.”

Esta resposta foi elaborada por Dirceu Raposo de Mello, diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

http://ciad.com.br/2010/10/em-que-consiste-a-assistencia-farmaceutica-domiciliar-contemplada-como-um-dos-itens-da-resolucao-de-boas-praticas-farmaceuticas-rdc-442009-e-quais-sao-seus-principais-aspectos-apresentados/

 

 

BENEFÍCIOS QUE O PACIENTE TERÁ COM A CONTRATAÇÃO DO FARMACÊUTICO DOMICILIAR

 

  • Fazer um curso (adquirir conhecimento) sobre os medicamentos que está usando, para compreender o processo terapêutico e  tomada de decisões;
  • Identificar os problemas relacionados com a medicação
  • Ter em mãos todas as informações técnicas sobre cada medicamento que está usando
  • Contrastar as orientações médicas com as informações técnicas sobre os medicamentos
  • Fazer uso racional de medicamentos e correlatos;
  • Acompanhar os resultados terapêuticos
  • Alcançar os resultados farmacoterapêuticos desejados para cada problema relacionado com o medicamento
  • Conhecer as alternativas terapêuticas disponíveis; 
  • Obter um plano de monitorização terapêutica
  • Reconhecer se a medicação é a mais apropriada para a resolução do problema de saúde em questão
  • Garantir que todos os medicamentos estão sendo administrados corretamente  no tempo certo
  • Minimizar os efeitos colaterias e reações adversas da medicação prescrita
  • Determinar se os investimentos feitos no tratamento estão sendo bem utilizados

Pub

CONSULTORIA ACADÊMICA: 

Professor e orientador para sua vida acadêmica, que propõe dar suporte didático-pedagógico e orientações para que você almeje seus objetivos, de forma prática e rápida.

Existe duas maneiras de chegar a algum lugar. Uma de forma aleatória, com tentativas de acertos e erros; e, outra, orientada e supervisionada por alguém que conhece o caminho das pedras.